Bárbara Lemos
Follow me

Desabafo de uma mãe “especial”

Desabafo de uma mãe “especial”

 

Sou mãe de uma criança especial…
Sou uma mãe guerreira…
As crianças especiais escolhem os pais especiais que têm forças para cuidar delas…

Estes são exemplos de frases que ouço todos os dias!
Não quero ser do contra, mas a verdade é que discordo veemente de todas elas…

Eu não sou mãe de uma criança especial, sou uma mãe babada de 2 crianças especiais, o meu maior orgulho, a minha razão de viver…

Eu não sou uma mãe guerreira por ter uma filha chamada especial, eu sou uma mãe guerreira com a minha filha “não especial” também. Tudo o que faço, faço sempre a pensar nas 2. Posso é ter de me desdobrar mais para conseguir apoiar melhor a “especial”, mas sou uma mãe guerreira para as 2!

Mas se há algo que “mexe”comigo é quando me falam do luto por ter uma criança que tem problemas neurológicos. Quando me perguntam se já fiz o luto, isso revolta-me… como vou fazer o luto de alguém que está aqui comigo sempre? Luto ainda não fiz pela perda do meu pai. Agora da minha filha? Felizmente está aqui comigo, e esperamos que seja por muitos e bons anos e comigo sempre do seu lado.

Eu sei que isto é talvez um tema polémico, um tema tabu, e não condeno ou critico quem discorde de mim assim como da mesma forma espero que respeitem a minha opinião. Mas a verdade é que a minha filha mais pequenina não é especial e não é diferente, eu tenho 2 filhas especiais porque todos nós somos especiais à nossa maneira, diferentes à nossa maneira! Quis o “destino” que a minha bebé tenha nascido com muitos problemas de saúde, “só” isso…

Esta é talvez a única parte em que nos consideramos especiais: não desistimos nunca. Fico muito triste quando vejo pais que não aceitam a realidade da “diferença”dos seus filhos, quando negam o que está visível a tantos olhos, apenas porque não é o padrão dito normal em sociedade… Quando na minha busca para descobrir o que se passava com a minha bebé, e depois de tantas vezes me chamarem maluca, a minha resposta era sempre a mesma: eu só quero descobrir o que se passa com a minha filha para poder ajudá-la o mais precocemente possível. E consegui…

Tudo muda perante um diagnóstico destes e um prognóstico tão reservado. Passamos por várias fases, e cada um reage à sua maneira. Não é fácil ouvir um médico dizer que a nossa filha vai ser como um vegetal; ou outro médico dizer que a esperança média de vida da nossa filha estava nos 2 anos de idade… como se ultrapassa isso? Se calhar nunca se ultrapassa. Hoje em dia “agradeço” estas palavras porque me deram uma revolta tão grande que me deu uma força extra para lutar.. Mas nenhuma mãe e nenhum pai merecem ouvir aquilo que nós ouvimos, não mesmo. Lembro-me todos os dias daquelas palavras, lembro-me de ter saído daquele gabinete com a minha bebé de 9 meses no colo, com as lágrimas a escorrerem-me e olhar para o meu marido e os 2 abraçados a chorar.. ele não queria chorar, eu percebi tão bem que ele queria ser forte por mim, pela nossa bebé, mas depois daquilo que ouvimos e depois de tudo o que já passamos, não conseguiu…

Como passei por todo este processo? Como lido diariamente? Aceitando a realidade e lutando apenas para conseguir fazer o melhor possível pela minha filha: DESISTIR NUNCA..

Se choro? Choro MUITO…
Se sinto revolta? Sinto MUITA…

Hei-de sempre chorar, hei-de sempre sentir uma revolta por não saber o que levou a estes problemas, e esse é o meu grande ponto fraco. Será que a culpa é minha? Será que foi algo que eu fiz durante a gravidez que levou a que a minha bebé tivesse estes problemas de saúde? Provavelmente nunca irei saber e hei-de viver sempre com esta culpa enorme no meu coração… DESCULPA FILHA, acredita que sempre fiz o que achei melhor para ti…

Termino apenas dizendo que se por um lado apanhamos médicos que, e desculpem-me a expressão, são autênticas bestas sem coração, por outro tivemos a sorte de encontrar profissionais médicos e terapeutas que viraram anjos nas nossas vidas… acho que nunca irei conseguir agradecer suficientemente a cada um deles (vocês sabem quem são).

A nossa luta ainda agora começou mas tenho a certeza que saíremos vencedores ❤️

6 Comments
  • Isabel Ramalho
    Posted at 09:22h, 13 Setembro Responder

    Muita força Barbbara e continue assim tão ” especial” .
    Beijinho de ❤

    • Bárbara
      Posted at 14:47h, 18 Setembro Responder

      Muito obrigada Isabel ?

  • Cátia Santos
    Posted at 11:41h, 17 Setembro Responder

    Todas as mães têm filhos especiais porque aos nossos olhos é assim que eles são, com ou sem problemas de saúde, com ou sem problemas neurológicos. O meu filho é saudável e sinto-me muito abençoada por isso pois não imagino a dor de ver um filho doente e sentir a impotência de não poder curá-lo e por isso não me posso imaginar na sua situação, nunca. Mas o facto de continuar a lutar pela sua filha e não se resignar a esses prognósticos assustadores faz de si a melhor mãe do mundo. Tanto se fala em ser boa mãe, isto é ser boa mãe, é lutar até ao fim pela felicidade e pela vida dos nossos filhos. Desejo-vos a melhor sorte do mundo ❤️

    • Bárbara
      Posted at 14:49h, 18 Setembro Responder

      Muito obrigada Catia, as suas palavras deixaram-me de lágrimas nos olhos.. não irei desistir nunca ❤️

  • ines saraiva
    Posted at 12:23h, 20 Fevereiro Responder

    olá Bárbara,
    somos vizinhas : sou de Braga 🙂 e temos muito em comum! também tenho 2 meninas: A mais pequenina com 15 meses nasceu com uma síndrome . .. sim! as pessoas gostam de rotular tudo e todos; têm medo de tudo o que possa ser diferente e esquecem-se que a qualquer altura e a qualquer hora também elas podem ter que “abrir os olhos, ver realidades diferentes” e aceitá-las porque o mundo é mesmo isso. Eu sigo uma mãe brasileira que é para mim um furacão e um exemplo a seguir, sem dúvida!
    quanto à parte em que diz que não sabe o que levou a que isto acontecesse, o que terá feito… NADA! quantas mais não desejam uma gravidez e as crianças nascem saudáveis ? quantas crianças não nascem saudáveis e passado anos aparece algo que a faz regredir e tornar-se um vegetal ou até morrer?
    vou deixar aqui o link da Lau Patron se quiser ir espreitar lá 🙂
    https://www.facebook.com/avanteleaozinho/
    https://www.youtube.com/watch?v=9eyCmr7At04&feature=youtu.be&fbclid=IwAR3OjeGPZCpKysN7yPoQ-UU5HYS47Giw6o7MexJZ1PFJNY1zelL8ANaRvw4

    um beijinho enorme e o caminho faz-se caminhando, sempre!

    • Bárbara
      Posted at 23:00h, 21 Fevereiro Responder

      Olá Inês, muito obrigada pelas suas palavras e carinho. Não conhecia a página que me recomendou mas vou seguir sim, muito obrigada. As maiores felicidades do mundo para vocês e muita força <3

Post A Reply to Isabel Ramalho Cancel Reply